quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Passeios Tempestuosos

Eu tenho me agarrado nas memórias. Eu tento, em meio a uma dessas nostalgias (enriquecedoras) de colecionadora, renegar todas as outras que me fazem mal - mas é utópico e tem cheiro de chuva. Uma chuva que eu engulo até o fundo da minha alma pra nunca secar. Uma chuva da qual me faço todas as gotas. E assim eu me arrasto pelos subúrbios, me esfregando pelos muros e humedecendo as esquinas na procura incansável de qualquer coisa que seja mais bonita do que as outras que eu vi antes, e imaginando melodias que ficam a me miscigenar com o caos ensandecido, tornando-o, então, inerente. Tem dias que eu absorvo tudo, e tem dias que tudo me absorve.

2 comentários:

  1. Nós tentamos substituir as memórias, mas esquecemos que elas não são como uma fotografia, que nós podiamos rasgar as degradantes, e então só guardar as belas e saudosas.
    Lindíssimo, Lou, saudades <3

    ResponderExcluir