segunda-feira, 2 de agosto de 2010

De quando a chuva baila

Chego e sento no chão. Tu ainda não tirou os livros, caixas e enfeites de decoração de cima do sofá. Como se a gente não soubesse o porquê das coisas acontecerem, eu faço de conta que elas nem acontecem. Não sei se é tu que é avantajado por enfrentar a realidade ou eu por negá-la tão normalmente. Nos abraçamos, encabulados. Dou um sorrisinho e tento disfarçar minha inquietude. Tu retribui o mexer dos lábios e sei que pensa da mesma forma. Engraçada essa nossa mania de deixar pra falar depois, quando houver bruta urgência. Eu comento sobre o tempo bom – a chuva passeava dançando lá fora. Tu olha pra janela e diz, com receio:
- A gente se desencanta, né?
- Com o tempo, sim. A vida é real demais pra ser encantadora.

3 comentários:

  1. A vida é real demais pra ser encantadora.
    Demais. Concordo com você.
    Realmente, Angie, ela é a Clarisse Lispector Juvenil *-*
    Amei seu blog, incríveis postagens.

    ResponderExcluir